Destaques Política

Temer encerra força-tarefa da Lava Jato e estanca a sangria

A Polícia Federal acabou com o grupo de trabalho da Operação Lava Jato em Curitiba. A decisão foi comunicada aos quatro delegados restantes no GT da operação, informa reportagem do site da revista Época. Em Curitiba, atribui-se à decisão ao diretor-geral da PF, Leandro Daiello.

Os delegados e agentes voltarão a ser lotados na Delegacia de Repressão à Corrupção e Crimes Financeiros, a Delecor e dividirão o tempo entre a Lava Jato e outras investigações. Com a escassez de recursos e pessoal, a produção de provas nos processos atuais e a deflagração de novas etapas de investigação fica severamente comprometida. Para um dos investigadores, é uma “asfixia”.

O desmanche do GT não é uma surpresa dentro da PF. O número de delegados caiu de nove para quatro em menos de um ano. Com a saída desses delegados, a velocidade da investigação foi caindo. Para os investigadores, os delegados Érika Marena, Eduardo Maut e Márcio Anselmo eram o “motor” da Operação Lava Jato.

A justificativa para a retirada de pessoal era uma suposta “falta de demanda”, ideia refutada pela PF e também pelo Ministério Público Federal. De acordo com o MPF, os funcionários estão atolados em trabalho ordinário e centenas de provas obtidas em fases anteriores estão sem análise. Os três principais delegados deixaram a Lava Jato após atritos com a Direção da PF.

Pela redes sociais, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, um dos principais nomes da força-tarefa, acusou Michel Temer de matar a operação por asfixia. “A Polícia Federal não tem mais dinheiro para passaporte. A Força-tarefa da Polícia Federal na operação Lava Jato deixou de existir. Não há verbas para trazer delegados. Mas para salvar o seu mandato, Temer libera verbas à vontade”, escreveu.

A direção-geral da PF confirmou o fim do grupo de trabalho em nota, publicada pela Época:

  1. Os grupos de trabalho dedicados às operações Lava Jato e Carne Fraca passam a integrar a Delegacia de Combate à Corrupção e Desvio de Verbas Públicas (DELECOR);

    2. A medida visa priorizar ainda mais as investigações de maior potencial de dano ao erário, uma vez que permite o aumento do efetivo especializado no combate à corrupção e lavagem de dinheiro e facilita o intercâmbio de informações;

    3. Também foi firmado o apoio de policiais da Superintendência do Espírito Santo, incluindo dois ex-integrantes da Operação Lava Jato;

    4. O modelo é o mesmo adotado nas demais superintendências da PF com resultados altamente satisfatórios, como são exemplos as operações oriundas da Lava Jato deflagradas pelas unidades do Rio de Janeiro, Distrito Federal e São Paulo, entre outros;

    5. O atual efetivo na Superintendência Regional no Paraná está adequado à demanda e será reforçado em caso de necessidade;

    6. A Polícia Federal reafirma o compromisso público de combate à corrupção, disponibilizando toda a estrutura e logística possível para o bom desenvolvimento dos trabalhos e esclarecimento dos crimes investigados.

Escreva seu comentário