Destaques Saúde

Governo Temer quer fechar as unidades do Farmácia Popular até agosto

A decisão do Governo Federal, anunciada no final do mês passado, atinge em cheio uma população que recebia medicamentos gratuitos, e que agora terão que recorrer aos postos e centros de saúde e às unidades conveniadas do programa “Aqui Tem Farmácia Popular do Brasil”, feito com a rede privada.

No final do mês passado, o Governo Federal informou que não mais iria financiar as unidades próprias do programa Farmácia Popular. Em reunião com representantes do Ministério da Saúde e secretários estaduais e municipais da área, ficou decidido que as unidades não mais receberão verbas da União a partir de maio. Caso os municípios optem pela manutenção das unidades, deverão arcar com os custos.

 

Medicamentos gratuitos e com até 90%

Lançado em 2004, durante o primeiro Governo de Luiz Inácio Lula da Silva, o programa Farmácia Popular do Brasil garantia a distribuição gratuita ou com até 90% de desconto de 112 medicamentos de uso contínuo para  doenças crônicas, como  hipertensão,  diabetes e anemia. A rede própria tem 393 unidades, e a distribuição gratuita dos medicamentos será mantida pelo Governo Federal nas farmácias da rede privada conveniadas no programa “Aqui Tem  Farmácia Popular”, que tem, contudo, apenas uma lista de 32 medicamentos disponíveis.

Com a decisão de encerramento do programa, o Ministério da Saúde pretende economizar cerca de R$ 100 milhões anuais. Oferecido como opção, o programa “Aqui Tem Farmácia Popular” funciona em parceria com farmácias particulares e atua em 4.464 municípios brasileiros.

Dos 112 medicamentos disponíveis no programa do Governo federal, disponibiliza para a população apenas 32 tipos de medicamentos. São disponibilizados medicamentos  para o tratamento de hipertensão, diabetes, asma, rinite,  dislipidemia, doença de Parkinson, osteoporose, glaucoma, além dos contraceptivos e fraldas geriátricas. Já o programa Aqui Tem Farmácia Popular”  é destinado àquela parcela da população que não busca assistência no SUS, mas tem dificuldade para manter tratamento medicamentoso devido ao alto preço dos medicamentos. O programa  funciona em parceria com farmácias particulares e drogarias comerciais que aderem ao credenciamento no programa.

Escreva seu comentário